Medos: Vamos olhar o que há no caldeirão?

Lá estávamos nós, diante daqueles zumbis horripilantes, nojentos, saindo debaixo da terra e comendo pedaços de pessoas. Desde a minha adolescência que não assistia mais a esses filmes e  a minha tendência ainda é virar o rosto ou tampa-lo com a almofada quando a cena fica, ao meu ver, “forte” demais.

Mas hoje eu me entrego a cena até o final, pois com a maturidade percebi que a minha imaginação e as fantasias criadas pela minha mente são capazes de provocar mais sensações desagradáveis do que o filme em si.

Assim é composta a beleza do nosso sistema interior,  os sentimentos primários acionam nossa mente e avisam que algo está nos ameaçando  e naturalmente nosso corpo vai reagir a esse estímulo. A música angustiante que começa a tensionar nossa musculatura diante de um filme de terror, o susto inesperado provocando nossos gritos,  a imagem de algo desfigurado que pode estimular  emoções como medo ou nojo…

Medo, tristeza, alegria  e raiva são sentimentos primários prontos para nos defender nas rotinas diárias e sinalizar que algo está nos tirando do equilíbrio, da nossa homeostase.

Uma depressão por exemplo pode esconder sentimentos de raiva, que se vierem à tona podem comprometer esse equilíbrio, então a mente sabiamente  se defende, nos protege.

Sim, todo adoecimento é uma tentativa de cura, e onde estão os sinais?

Dentro do caldeirão, nosso caldeirão interno.

É nele que podemos mergulhar para decifrar os sinais; Descobrir do que essas emoções estão nos protegendo.

Sabe aquele momento que a Bruxa está ali, diante de seu caldeirão? Me encanto,  pois ela começa a usar todas as coisas incomuns e nojentas e que nos provocam asco: pé de rã, asa de morcego, dedo de criança, lagartixas…

Mas porque não gostamos de olhar dentro do caldeirão?

Porque quando estamos imersos nessas emoções primárias, segundos após,  os sentimentos racionalizados assumem o controle e partimos para o julgamento.

Como você deve ter feito quando começou a ler os ingredientes insólitos da bruxa.

É aí que começa toda confusão…

Medo é Medo, e só.

Asa de morcego é apenas uma asa de morcego; mas se você se imagina comendo-o…

Aparecem os julgamentos!

Construímos sentimentos influenciados pelo nosso meio cultural sobre emoções tão naturais, como por exemplo: Quem sente medo é fraco, covarde, sem coragem…

Olhar o desagradável não é algo confortável mas olhar e mergulhar dentro desse caldeirão pode oferecer alívio.

Me encanta  quando a bruxa prepara seu antídoto, pois pode utiliza-lo para curar e transformar. Tudo vai depender do “como” ela decide usar a sua matéria prima.

Ter a sensibilidade de ver o que está atrás da porta, como citei no post anterior, talvez seja mais libertador do que conviver o resto da Vida angustiado com “o que pode haver atrás da porta”, aterrorizado pelo fantasma daquilo que não se quer ver.

E embora exista antídotos comercializados que ajudem no controle da palpitação, da falta de ar, da tensão,  para controle do mal-estar provocados pelas emoções primárias; como toda poção, se não for usado com sabedoria, pode mantê-lo preso com esses fantasmas  indesejados pelo resto da Vida.

Paralisado…

Outro dia meu filho foi para aula fantasiado de zumbi, e achei que voltaria querendo se fantasiar com os modelos que viu dos amiguinhos, vampiros perfeitamente caracterizados, lindos e fofos.

Pois como a professora disse que ele estava “aterrorizante”, achei que iria interpretar isso de forma negativa.

Foi então que ele me surpreendeu;

  • Mamãe, da próxima vez que pintar um zumbi você pode colocar um cérebro caindo aqui?

Caí na gargalhada e respondi que sim.

Se não fosse nosso avesso não haveria suporte para nossa construção externa.

Quando se procura evitar ou negar aquilo que se está sentindo, acaba-se por sentir-se mais mal ainda.

Mas se até as crianças se divertem e acham o caminho para lidar com essas emoções, imaginem nós que já ensaiamos e vivenciamos tantas emoções no decorrer da nossa Vida.

Aproveitando o clima de Halloween, vamos mergulhar nesse caldeirão?

 

 

Anúncios

Um comentário em “Medos: Vamos olhar o que há no caldeirão?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s