Reciprocidade…

   Rubem Alves, em uma de suas crônicas, relata sua visita à escola da Ponte, em Portugal, e descreve seu encanto quando chega para fazer a visita e após a apresentação formal, o visionário José Pacheco,  convida um aluno de  06 anos para que possa apresentar a escola ao escritor.

  Uma escola na qual os alunos não são separados por séries ou idades mas por interesses, votam e participam na escolha das atividades e só se colocam a prova quando se sentirem prontos e seguros.

  Em uma das salas ele cita um exemplo curioso e que me remete à reflexão sobre reciprocidade. Em cada sala de atividades existem dois cartazes:

Um escrito:

-Posso ajudar com _________

E outro:

-Preciso de ajuda em ________

  Todos os alunos preenchem o quadro de acordo com as facilidades e dificuldades que encontram durante à tarefa, assim podem se organizar, constroem uma ajuda mútua em direção à realização de um objetivo comum.

Um método democrático baseado na construção da afetividade nas relações através das experiências.

  Ali não gera-se expectativas; comunica-se, questiona-se, busca-se a compreensão pois a tarefa precisa ser construída de acordo com as possibilidades e limitações de cada um, respeitando as diferenças e são elas justamente que permitem a construção de algo novo e completo.

  Não existe reciprocidade sem empatia pois é ela que permite a compreensão das potencialidades e limitações do outro, sem julgamentos mas com respeito à diversidade e boa vontade para colaborar, cada um da forma que conseguir,  em benefício de um bem maior.

  Ah se conseguíssemos ter a facilidade de comunicação, a inteligência emocional para verbalizar os nossos sentimentos e ter o convívio enriquecedor como os alunos da Escola da Ponte.

  Agora, volta um pouquinho sua atenção para a nossa realidade e modelo escolar atual.

  Temos uma escola onde a criança não é estimulada a ter iniciativas, onde deve -se obedecer às regras sem compreendê-las,  onde recebem as atividades na maioria das vezes prontas e que muitas vezes não compreendem por quais motivos estão executando-as e nem a finalidade maior dessas atividades e ainda  devem reproduzi-las de forma correta.

  Como a criança não compreende ao certo o que esperam dela e é criticada cada vez que erra, seja nas atividades ou nos comportamentos, só lhe resta ESPERAR as coordenadas.

  Esperar que lhe digam o que fazer, como fazer, dentro de um modelo de expectativas pré estabelecidos e começa a entender que se ela deve corresponder às expectativas escolares, sociais e familiar, isso também deve ser recíproco.

 Como ela deve fazer tudo igual aos demais, logo, todos devem fazer igual a ela. Num sistema lógico que emocionalmente  funciona assim:

  Se eu satisfaço o outro, o outro deve me satisfazer, na mesma medida e proporção do meu desejo.

  Onde há um sonho, existe um desejo, onde há desejo cria-se expectativas.

   Crescemos achando que o outro deve satisfazer todas as nossas expectativas.

  E arrisco ainda instigar mais as nossas reflexões, nesse modelo atual, cria-se uma sensação de vazio tão grande por não conhecer e ter sob domínio, ao longo desse trajeto, as minhas potencialidades e meu poder de construção,  que coloco sob responsabilidade do OUTRO o preenchimento desse vazio.

  Assim, quero que meu marido, meus filhos, minha família, meus chefes e colegas de trabalho, reconheçam e validem  de alguma forma a minha importância e também correspondam às minhas expectativas dentro das relações.

  E quando isso não acontece, sinto como se o meu valor estivesse se esvaindo entre os dedos, como se eu não fosse boa o bastante já que faço tudo certo, me comprometo e ofereço sempre o melhor de mim, correspondendo sempre as expectativas de todos.

  Pois bem, agora vamos voltar e imaginar como uma criança da escola da ponte, talvez , tenha uma facilidade maior em construir suas relações, já que teve um modelo mais participativo.

  Bora simplificar?

  Vamos supor que uma dessas crianças cresça, e deseje uma relação mais afetuosa, por exemplo.

  Uma pessoa que se considera co-construtora dessa relação em primeiro lugar vai considerar não só o seu desejo de afeto mas também o que desejo o outro, aí entra a “Santa” empatia.

-O que deixaria a mim e o outro feliz nessa relação?

-Quais atitudes podem partir de mim, para que juntos, possamos nos beneficiar dessa ação?

-Como posso dizer como me sinto ou do que sinto falta, sem acusar ou cobrar o outro?

  A diferença do modelo da escola da Ponte, é que desenvolvem as crianças para se sentirem responsáveis, co-participativas e mais atuantes dentro das relações. Dessa forma, elas passam a conhecer suas capacidades e limitações através de suas próprias experiências e percepções e com isso ganham AUTONOMIA e aprendem a reconhecer a sua IMPORTÂNCIA dentro das relações.

  Reciprocidade está totalmente ligado a benefícios mútuos construídos por duas ou mais pessoas, e se a responsabilidade, participação e cuidado na manutenção dessa relação for unilateral, essa relação  passa a não existir.

  Poeticamente falando, Rubem Alves,  mais uma vez nos brinda com um poema lindo que exemplifica nossa atuação na reciprocidade.

“O que é que se encontra no início? O jardim ou o jardineiro? É o jardineiro. Havendo um jardineiro, mais cedo ou mais tarde um jardim aparecerá. Mas, havendo um jardim sem jardineiro, mais cedo ou mais tarde ele desaparecerá. O que é um jardineiro? Uma pessoa cujo os sonhos estão cheios de jardins. O que faz um jardim são os sonhos do jardineiro.”

  Na reciprocidade, você é o Jardineiro ou espera que lhe tragam um Jardim?

Anúncios

3 comentários em “Reciprocidade…

  1. Muito bom… gostei do tema e da maneira como você expõe. Até por se tratar de algo complicado, afinal, pessoas com opiniões diferentes, gostos distintos, pontos de vistas divergentes, conviver no mesmo espaço e dentro desse espaço estabelecer suas trocas… não é simples
    Parabéns

    Curtir

  2. Gratidãaaaao !
    Melhor palavra que define o que estou sentindo após ler sobre o tema que pedi e que você Gizele escreveu com tanto carinho. Consegui me imaginar na escola da Ponte, com toda certeza deve ser um lugar incrível que estimula as crianças a desenvolverem o que tem habilidade e prazer em fazer, ao invés de se enquadrarem em nosso atual “modelo” de sociedade, onde somos estimulados apenas a ” reproduzir” sem “questionar”.
    Certa vez pesquisei o significado de Reciprocidade: “Reciprocidade significa dar e receber, por isso, no amor a reciprocidade significa que o amor é correspondido.” Concordo plenamente com o significado e ainda consigo associá-lo ao texto, pois a escola Pontes baseia se também no amor para conseguir desenvolver a empatia e a reciprocidade nas crianças, estimulando os a dar e receber e também se alto aceitar.
    Gi, que delícia de texto, reflexão e experiência. Resumindo que delícia passear no seu “jardim”, compartilhar conosco temas tão bons, sinto como se colhesse uma flor do seu “jardim” quando leio seus textos e absorvo informações e sentimentos tão gostoso.Obrigada pela reflexão ❤

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s